• what is unbounce
  • CATEGORIAS

    Como superar o choque de conteúdo e produzir materiais que são vistos

    A adoção de estratégias de Inbound Marketing passou de aposta para uma grande e poderosa afirmação. Prova disso é que, de acordo com os resultados do Estado do Inbound 2016, é a principal abordagem de marketing para 66% das empresas entrevistadas.
    O grande diferencial do marketing de atração está na possibilidade de conquistar potenciais clientes usando métodos que não sejam intrusivos, e um dos grandes responsáveis por essa aproximação é o conteúdo.

    Sim, tudo pode virar conteúdo!

    Quer um exemplo? Se sua empresa oferece serviços de hosting, pode criar materiais sobre segurança, melhores linguagens de programação, novas tecnologias e por aí vai. Se é uma floricultura pode ensinar as melhores formas de plantio, as diferentes épocas de florescimento, a planta ideal para cada tipo de ambiente.

    Não importa em qual segmento se atua, o objetivo sempre deve ser o mesmo: informar, educar e atualizar os prospects e os clientes.

    No entanto, ainda que seja uma abordagem interessante e promissora, temos um fato: nunca se consumiu (e se produziu!) tanto conteúdo. Só para você ter uma ideia, na década de 1900, as pessoas costumavam consumir conteúdo durante 10 horas por semana, aproximadamente. Atualmente estamos dedicando cerca de 70 horas semanais para o consumo de conteúdo, incluindo desde vídeos no Facebook, Youtube, Snapchat, fotos e vídeos no Instagram até blog posts e discussões em fóruns.

    Diante dessa explosão na produção de materiais parece que 24 horas não são mais suficientes para consumir todo conteúdo disponível em nossos desktops, smartphones, tablets e outras mídias.

    Por isso, fica o alerta: em 2015, cerca de 70% de todos os conteúdos produzidos no mundo não foram consumidos por ninguém. Mark Schaefer, autor do livro The Content Code, chama esse acontecimento de “Content Shock”. O que nada mais é do que uma relação de oferta e demanda entre a quantidade de conteúdo disponível e a quantidade de conteúdo consumido, que Mark explica ser “a interseção do consumo de conteúdo finito e o aumento da disponibilidade de conteúdo”.

    Você deve estar se perguntando como criar materiais sem que eles sejam ignorados, não é mesmo? Se você quer superar o desafio de produzir conteúdo de qualidade e que seja visto por seus clientes, aproveite as dicas que trouxemos de como se diferenciar em meio a esse boom de conteúdo.

    Bons conteúdos sempre terão espaço

    Tenha certeza de uma coisa: um conteúdo de qualidade sempre vai ter sucesso. Por isso, invista seu tempo em pesquisa sobre a pauta e também na criação do material e escreva conteúdos profundos sobre o assunto ao invés de uma visão superficial sobre ele. Uma boa dica é pesquisar e ler o que outros posts estão falando e criar uma versão melhorada (não copiada) deles.

    Conheça seu público-alvo

    Saber quem vai ler seus materiais é um fator que pode determinar se seu conteúdo será um dos 70% que são desprezados ou não. Dedique algum tempo para conhecer melhor quem é a sua audiência, pois isso certamente trará enormes vantagens para sua estratégia. Nada de tentar pendurar um prego na parede com a luz apagada. Algumas perguntas que você deve responder:

    • O que o seu cliente precisa?
    • Quais os problemas que ele enfrenta?
    • O que ele precisa para usar seu produto melhor?
    • O que ele espera quando procura um produto semelhante ao que você oferece?
    • Qual tipo de conteúdo ele costuma consumir (blog posts, vídeos, podcasts)?

    Foque também em quem escreve

    Se você estiver pensando que a solução para se destacar em meio de seus concorrentes é investir na contratação de vários freelas e triplicar a produção de conteúdos, pare e reflita. A nossa dica é investir em pessoas da sua equipe que conheçam muito bem o seu produto (além do cliente, é claro) e criar conteúdos mais certeiros.

    Por exemplo, ao invés de contratar uma freelancer para escrever um blog post sobre cloud computing, pense que você poderia pedir ao seu gerente de produto, que conhece seu cliente e sabe os problemas que ele enfrenta, para falar sobre os problemas de comunicação e produtividade que a nuvem resolve ao permitir que você acesse seus documentos em qualquer lugar.

    Muitas vezes isso vai significar uma redução na quantidade de peças produzidas, mas a qualidade, profundidade do assunto e assertividade do conteúdo vão se sobressair.

    Ninguém melhor para falar de um novo recurso ou de um projeto do que o desenvolvedor responsável pela criação.

    E foi isso que fizemos internamente ao convidarmos nosso software engineer, Murilo Mittmann para escrever sobre a integração que a Umbler criou com GitHub.

    Você poderia cobrar por seu conteúdo?

    Todo mundo tem seus blogs preferidos, aqueles que você vive conferindo, lê tudo que é postado e sempre segue todas as dicas que eles recomendam. Aqueles que você até pagaria para ler, não é mesmo? Então, faça essa mesma analogia com o seu blog: seu conteúdo é tão bom que as pessoas pagariam para ter acesso a ele?

    E na era da informação nem tudo é dinheiro, o pagamento pode ser o e-mail, o número de telefone ou um compartilhamento social.

    Não se preocupe apenas com palavras-chave

    Sabe aquela dica que você sempre ouve de especialistas, que deve se preocupar com as palavras-chave? Pois bem, esqueça isso um pouco. Antes de pensar em otimizar seu texto sobre o plantio de flores na primavera, que tal pensar nos problemas que as pessoas estão enfrentando?

    Sempre escreva pensando nos problemas que seu conteúdo pode resolver e não em como o Google vai ler.

    Algumas perguntas que seu conteúdo pode resolver:

    • O que você acha que o seu produto faz que ninguém mais faz?
    • O que você sabe sobre esse problema que ninguém mais sabe?
    • Como você acha que poderia resolver os problemas que seu cliente enfrenta?

    Pesquise muito

    Já falamos que você deve conhecer sua audiência e também que seu conteúdo deve ajudar o leitor a resolver os problemas de quem os lê. Se você já concluiu essas duas etapas e precisa de dicas para produzir conteúdos vale a pena dar uma olhada nessas ferramentas para pesquisar palavras-chave:

    Uma lista de ferramentas web para ajudar desenvolvedores a serem mais produtivos

    Você deve estar se perguntando: “Mas, a dica não era deixar de lado as palavras-chave?” Sim, mantemos essa opinião, a ideia aqui é para que você pense além das keywords mais bombadas e explore as chamadas palavras-chave de cauda longa. Long tails são vantajosas na ótica de compra por, geralmente, terem um custo médio por clique mais baixo, e, também, em vista de ter uma menor concorrência.

    Além da pesquisa de palavras-chave, você também pode usar o Quora para dar uma olhada nas questões levantadas pelos usuários e produzir conteúdos que respondam essas perguntas. Também, vale a pena nas buscas relacionadas do Google e no autocomplete da palavra pesquisada.

    Teste diversos formatos

    Pense nisso: não existe formato perfeito. Melhor ainda, não existe formato de conteúdo perfeito sem testes. Algumas das principais tendências digitais dos últimos anos são vídeos e podcasts. Todas as grandes marcas produzem vídeos, o Facebook, por exemplo, destaca em seus feed publicações em vídeo. Mas nem por isso você vai abandonar a produção de conteúdo em texto sem realizar testes com sua audiência. Não existe bala de prata e se pudermos indicar uma tendência seria a de multiplataformas. Se fizer sentido para seu público-alvo, esteja presente em áudio, texto e imagem.

    Invista em um hub de conteúdo

    Uma ótima forma de divulgar e concentrar seus materiais produzidos é investir na criação de um hub de conteúdo. Um hub é um repositório de conteúdos no qual você vai agrupar todos os seus materiais produzidos: e-books, podcasts, vídeos, infográficos, whitepapers e etc.

    Além de ser uma excelente forma de divulgar todos os seus materiais, é também um ótimo canal para geração de leads. Você pode solicitar o e-mail do cliente antes de baixar um material ou, até mesmo, para ter acesso a todos os conteúdos.

    Quer ver alguns exemplos de hubs que você pode se inspirar?

    Umbler Academy

    A ideia de criarmos um hub para os nossos conteúdos surgiu quando buscávamos formas de destacar nossos materiais. E, por isso, entendemos que nosso foco deveria ser a produção de conteúdos úteis, interessantes e que realmente ajudassem nossos clientes. Foi então que surgiu o Academy, com a ideia de potencializar nossa produção de materiais de qualidade e que sejam verdadeiramente úteis para nossos clientes.

    Biblioteca landing page Unbounce

    A Unbounce lançou também sua biblioteca de conteúdo, porém ao invés de criar conteúdos focados em vendas para leads que estão no topo do funil criaram materiais educativos que auxiliam o cliente a resolver problemas que estão enfrentando e que seu produto ou serviço pode resolver, nesse caso landing page e conversão.

    Na mesma linha estratégica a Contentools direciona sua biblioteca para o marketing de conteúdo para seu nicho de mercado.

    Materiais Educativos

    Com centenas de acessos, os materiais educativos da Resultados digitais e da RockContent são bastante populares no mercado brasileiro e ambos hubs ganham destaque na qualidade e diversidade, assim como as resources pages da Hubspot e MailChimp no mercado internacional.

    Preparado para criar ótimos conteúdos?

    Tem mais alguma dica que gostaria de dividir com a gente? Conte para nós nos comentários que vamos adorar compartilhar ;)

    default author image
    Sobre Vinícius Pereira
    Vinícius Pereira é graduado em Marketing e membro do time de conteúdo da Umbler. Siga-o no ​ Twitter.
    » Mais publicações por Vinícius Pereira